Um evento para dar voz a meninas e mulheres que estão mudando o mundo

Sobre o Evento

Todos os anos, a Plan International Brasil celebra o dia Internacional da Menina, como parte de suas ações para promover os direitos das crianças e a igualdade para meninas.

Pensando nessa celebração, a organização produziu o Girl’s Talk, evento criado para dar voz e visibilidade a meninas e mulheres que, com suas atitudes, estão mudando a cultura e o comportamento do mundo em que vivem. Para que ele  torne um lugar melhor para todos.

Com o Girls’ Talk, vamos conhecer ideias e mulheres inspiradoras. Exemplos de como podemos acabar com as raízes da discriminação e da exclusão contra as meninas.

Palestrantes

Júlia Rebeca

, tem 15 anos já ganhou parabéns pelo dia das mulheres e não gostou. Porque afinal ela é apenas uma menina, e quer que respeitem o seu direito de ser apenas uma menina. Voluntária em projetos de empoderamento feminino, ela tornou-se uma liderança na comunidade rural em que mora no Maranhão.

Evelin Firmino

, tem 16 anos e mora em Mauá, São Paulo. Campeã brasileira de saltocom vara, ela acredita que qualquer pessoa pode realizar seus sonhos se acreditar em simesma e se dedicar o suficiente. Com essa determinação, ela quer representar o Brasilnas Olimpíadas. E, enquanto isso, ajudar outras meninas a realizar os seus sonhos.

Luciana dos Santos

, tem 26 anos e mora em São José de Ribamar, no Maranhão. Ela viu sua mãe e sua avó abrirem mão de sonhos e planos para serem apenas esposas. Desde a adolescência, ela trabalhar para não ter o mesmo destino e ajudar outras meninas a não abrirem mão dos seus direitos.

Alice Juliana

, 19, é estudante de biologia e a fundadora do grupo “Juventude em Ação Social Comunitária”, cuja missão é levantar a discussão sobre gênero e direitos reprodutivos com meninas e mulheres na cidade de Timbiras, no Maranhão. O objetivo é convidá-las a explorarem e entenderem seus corpos, em nome de sua autonomia, saúde e segurança.

Anná

, 22, é cantora e compositora da Mooca (SP). Já se apresentou ao lado de mestres como Wilson das Neves e Wilson Moreira, e também é cantora no “Afro Ilú Obá de Min”, popular bloco do carnaval de São Paulo. Seu primeiro trabalho autoral é o EP “Pesada”, com faixas que abordam temas como a ditadura dos padrões de beleza e a violência de gênero.

Buh D'Angelo

, 23, é empreendedora e fundadora da InfoPreta, empresa de reparos e serviços de tecnologia que emprega exclusivamente mulheres negras. Formada em eletrônica, automação industrial e robótica, desenvolveu o negócio para dar oportunidade de trabalho a pessoas que estão à margem do mercado. Ela também desenvolve workshops ligando diversidade e tecnologia.

Carolina Peixoto

, 29, é poeta, pedagoga e agente cultural. É uma das criadoras do Slam das Minas SP, batalha de poesias só para mulheres, e integrante do coletivo “Poetas Ambulantes”, que há cinco anos declama e distribui poesias nos transportes públicos. Carol tem dois livros: o infantil “Bola, Lápis e Papel” (2013) e o de poemas “DEZluas” (2017).

Gabi Oliveira

, 25, é a criadora do canal DePretas no YouTube, e uma das youtubers negras mais influentes do Brasil. Com mais de 100 mil inscritos e outros milhares de seguidores nas redes sociais, Gabi aborda assuntos que vão de racismo e feminismo até maquiagem e cuidados para cabelos crespos, sempre de forma didática e despojada.

Eliane Dias

é moradora do bairro Capão Redondo, advogada, empresária e coordenadora do SOS Racismo na Assembleia Legislativa de São Paulo (ALESP). Fundadora da produtora Boogie Naipe, com o companheiro Mano Brown, hoje ela é responsável pela carreira dos Racionais MC’s. Eliane traz à imprensa nacional debates sobre gênero, classe e raça.

Jéssica Moreira

, 25, é cofundadora do coletivo “Nós, Mulheres da Periferia”, que visa construir novas narrativas a partir da voz de mulheres periféricas. A iniciativa venceu os prêmios de mídia negra Almerinda Farias Gama e Antonieta de Barros. Também colabora na “Agência Mural de Jornalismo das Periferias” e na “Rede Jornalistas das Periferias”.

Maria Clara Araújo

, 21, é uma ativista afrotransfeminista. Graduanda em Pedagogia pela Universidade Federal de Pernambuco, ela idealizou o projeto “Pedagogia da Travestilidade”, que coloca em diálogo a educação e a experiência vivenciada por mulheres trans. Maria Clara também escreve para os sites Blogueiras Negras e Transfeminismo.com.

Mel Duarte

, 28, é poeta e produtora cultural. Uma das organizadoras da batalha de poesias Slam das Minas SP, em 2016 ela foi destaque no sarau da Feira Literária Internacional de Paraty e a primeira mulher a vencer o Rio Poetry Slam. Publicou os livros “Fragmentos Dispersos” (2013) e “Negra Nua Crua” (2016).

Viviana Santiago

é negra, mulher, nordestina, professora e mãe. Faz parte da Coletiva Oniras e é gerente técnica de gênero na Plan International Brasil, na militância pelos direitos de meninas, mulheres e da população negra.

Sobre a
Plan International Brasil

Estamos há 20 anos em território brasileiro, lutando pela defesa dos direitos das crianças e adolescentes. Em 2017 e 2018, fomos eleitas uma das 100 melhores ONGs do Brasil e a melhor na categoria Crianças e Adolescentes em concurso promovido pela revista Época e o Instituto Doar.
 
Nós lutamos por um mundo justo que promova os direitos das criancas e igualdade para as meninas, além de engajarmos pessoas e parceiros para empoderar criancas, jovens e comunidades para fazer mudanças vitais necessárias que acabem com as raízes da discriminacão contra meninas, bem como de sua exclusão e vulnerabilidade.

Realização

Produção

Parceiro Capão Redondo

Parceiros Poços de Caldas